PDE-Escola

+303

No comments posted yet

Comments

JAQUELINESILVA (1 month ago)

oi

kary85 (1 year ago)

karina

kary85 (1 year ago)

karina

gildeon (2 years ago)

como salva este video ? gildeon.souza@hotmail.com

gildeon (2 years ago)

g

gildeon (2 years ago)

PDE

gildeon (2 years ago)

PDE

luhistoriamambai (2 years ago)

l

VaninaDias (2 years ago)

Bom dia. Gostaria de receber via e-mail a apresentação acima em formato original. Por favor enviar para: vaninasdias@hotmail.com Sou professora e estamos estudando sobre o assunto. Desde já agradeço pela atenção. Vanina

Deizelara (2 years ago)

Bom dia. Gostaria de receber via e-mail a apresentação acima em formato original. Por favor enviar para: deizehistoria@hotmail.com Sou professora. Desde já agradeço. Deizelara.

Slide 1

Deixar esta transparência projetada antes do início da capacitação. Deve ficar exposta durante as falas de abertura do evento.

Slide 17

Deixar esta transparência projetada antes do início da capacitação. Deve ficar exposta durante as falas de abertura do evento.

Slide 21

Destacar que o foco das ações do Fundescola está voltado para sua VISÃO: A APRENDIZAGEM DO ALUNO EM PRIMEIRO LUGAR. Todas as ações desenvolvidas pelo Fundescola, sua assistência técnica e seus recursos financeiros estão voltados para a garantia de melhor aprendizagem dos alunos nas escolas públicas. Não estamos falando apenas de APROVAÇÃO do aluno, mas de uma APRENDIZAGEM EFETIVA,que garanta ao aluno as condições necessárias para aquisição de conhecimentos, habilidades e competências que lhe proporcionem o exercício de sua cidadania. É preciso mudar os atuais resultados educacionais, que sinalizam um baixo desempenho dos sistemas educacionais, com graves consequências nos resultados de aprendizagem dos alunos.

Slide 52

Ao elaborar o DOCUMENTO SÍNTESE, a escola concluiu, teve definido o seu DIAGNÓSTICO. Conheceu o seu passado e o seu presente. Conhecendo seu passado e seu presente (através do diagnóstico’), é preciso agora estabelecer o que a escola quer para seu FUTURO. Como a escola gostaria de ser? Lembrar que no início dos trabalhos ficou claro que planejamento tem a ver com o FUTURO. Então, já conhecemos o passado e o presente, para que possamos desenvolver um planejamento eficiente e eficaz é preciso definir o FUTURO. Somente depois de conhecido o diagnóstico (passado e presente) e depois de definido o FUTURO que desejamos (Visão de Futuro) é que poderemos elaborar o PLANO DE SUPORTE ESTRATÉGICO, que nos levará a, considerando o diagnóstico chegarmos ao estabelecido em nossa VISÃO DE FUTURO.

Slide 54

Aqui iniciamos a definição da VISÃO ESTRATÉGICA da escola. A transparência mostra as etapas já vencidas (1a – Preparação; 2a – Análise Situacional) e estamos iniciando a definição da 3a etapa – Visão Estratégica e Plano de Suporte Estratégico). Esclarecer a IMPORTÂNCIA de se ter clareza e objetividade na definição da escola que se pretende ter, da educação que se pretende oferecer à comunidade atendida. Não se trata apenas de definições teóricas ou conceituais, mas dos resultados que se pretende alcançar.

Slide 55

A VISÃO ESTRATÉGICA precisa responder às perguntas contidas na transparência. Destacar a importância do que diz na DICA, principalmente no que se refere à internalização da Visão por todos que compõem a organização escola.

Slide 56

Na Visão Estratégica a Escola estará definindo seu Futuro. Na Análise Situacional foi feita uma fotografia, um diagnóstico de como é a Escola hoje. Como gostaríamos de ser no futuro? A Visão Estratégica é composta : VALORES: em que acreditamos? VISÃO DE FUTURO: com base nos nossos Valores, onde queremos chegar? MISSÃO: qual nosso propósito, qual nossa razão de ser? OBJETIVOS ESTRATÉGICOS: O que devemos perseguir para concretização de nossa Visão?

Slide 57

Esclarecer que os VALORES devem ser identificados e descritos de forma objetiva e suscinta. Evitar fazer um texto muito longo, que muitas vezes as pessoas que lêem não conseguem identificar o que realmente se pretende dizer.

Slide 58

O que é a VISÃO DE FUTURO? É a imagem daquilo que a escola pretende ser daqui a alguns anos. Corresponde ao componente de desafio da escola, o indicador do padrão e perfil que a escola deseja alcançar como resultado do seu trabalho. Constitui as ambições e aspirações da escola, criando um clima de envolvimento e comprometimento de toda a equipe com o seu futuro. Deve ser desafiadora e despertar a imaginação e o desejo de se trabalhar por aquele ideal. A declaração de Visão de Futuro deve ser coerente com os Valores identificados pela escola. Seu enunciado deve ser claro, objetivo, positivo, inspirador e iniciar-se com verbo no futuro. Deve ser estável (raramente muda), mas aberta a avaliações estratégicas ao longo dos anos. ü      Na construção de sua Visão Estratégica a escola não deve simplesmente "escolher" aleatoriamente alguns exemplos do Manual.  

Slide 59

O que é a MISSÃO? Salientar que a missão constitui a razão de ser da escola. Para que existe esta escola? Qual é o seu propósito enquanto escola? Para definir uma boa missão, quatro pontos devem ser levados em conta: As necessidades que a escola procurará satisfazer; Os serviços que ela oferecerá; Os clientes que ela atenderá; A maneira pela qual atenderá seus clientes. A missão responde a três questões básicas: (ver transparência) A declaração de Missão deve criar um clima de envolvimento e comprometimento de toda a equipe com o trabalho desenvolvido pela escola. A satisfação dos clientes (alunos, pais, equipe e comunidade) deve ser o fator mais importante para a definição da Missão da escola. A declaração de Missão, assim como a Visão de Futuro, deve ser coerente com os Valores, clara, objetiva, sucinta e estável. A escola define uma única declaração de Missão. O Valores devem estar implícitos ou claramente descritos na declaração da Missão da escola.

Slide 60

O que são os OBJETIVOS ESTRATÉGICOS? São as prioridades que direcionam o trabalho da escola e vão alavancar o seu desempenho. Indicam, assim, aquelas poucas áreas para onde a escola deve dirigir seus esforços para obter um desempenho de excelência. De onde eles vêm? Os objetivos estratégicos derivam da Análise Situacional da escola. Representam os desafios a serem alcançados pela escola? Reforçam o compromisso da equipe com a melhoria do desempenho da escola. Recomenda-se que a escola defina no máximo três objetivos estratégicos. Por quê? Porque a experiência mostra que TRÊS já significa MUITO trabalho para a escola. Se a escola não prioriza, ela não focaliza os seus esforços, não consegue ser estratégica e não consegue implementar o que é realmente necessário para mudar o seu desempenho. Dois objetivos estratégicos devem estar necessariamente ligados a dois Critérios de Eficácia Escolar vistos no Instrumento 2: “Processo ensino e aprendizagem” e “Resultados”. O primeiro porque enfatiza o objetivo-fim de toda escola, o ensino-aprendizagem; o segundo porque enfatiza os resultados da escola a partir do desenvolvimento de seus vários processos.Os objetivos estratégicos devem ser amplos, suficientemente abrangentes para que a partir deles a escola identifique várias frentes de trabalho (estratégias) para o seu alcance. Os objetivos estratégicos são de natureza QUALITATIVA, dizem o quê estrategicamente a escola deve trabalhar. Sua definição deve ser clara, iniciando-se com VERBO NO INFINITIVO.

Slide 62

Destacar a importância da consistência e coerência do Plano com a Análise Situacional e a Visão Estratégica. A ESTRATÉGIA será o caminho a ser seguido para o alcance dos Objetivos. Seguindo este caminho (Estratégia) a Secretaria definirá os resultados a serem alcançados (metas). Para o alcance desses resultados (metas) se definido o que se pretende fazer (plano de ação).

Slide 63

O que são as ESTRATÉGIAS? (transparência) Expressam o caminho a seguir para realizar os objetivos estratégicos. As Estratégias nascem dos Objetivos Estratégicos. EXEMPLIFICAR. São amplas o suficiente para englobar as maneiras pelas quais a escola pretende alcançar determinado objetivo estratégico. São de natureza QUALITATIVA. São amplas. Começam com verbos firmes no infinitivo. Limitam-se a uma sentença. São em número de três a quatro para cada Objetivo Estratégico definido pela escola.

Slide 65

É importante destacar que as METAS indicam RESULTADOS A SEREM ALCANÇADOS para se alcançar os Objetivos Estratégicos. E resultados precisam ser claros, quantitativos e mensuráveis. É preciso poder MEDIR se a meta foi alcançada ou não. Destacar a importância da DICA da transparência. A escola pode estabelecer metas para dois, tres anos ou mais, porém, deve ter medidas de controles intermediárias. Por exemplo: uma meta para aumentar a aprovação para 100% pode ser estabelecida para três anos. Porém, deve-se ter indicadores anuais para se acompanhar a evolução dos resultados. DESTACAR AS CARACTERÍSTICAS DA META: Indicam resultados a serem alcançados; Precisam ser claras e específicas. Isto é, não devem ser genéricas nem amplas, mas contemplar objetivamente o problema a ser solucionado. Precisam ser mensuráveis, isto é, ser possível medir, verificar exatamente se o resultado estabelecido foi alcançado. Precisam ter um indicador, isto é, como o resultado vai ser medido. Período de realização: quando a escola pretende atingir o resultado estabelecido. Um responsável.

Slide 68

Esta transparência continua o detalhamento de um plano de ação, reforçando as características de uma AÇÃO ESTRATÉGICA. Que problema se quer atingir com a ação? A escola tem claro qual o impacto da ação nas causas do problema? O PLANO DE AÇÃO precisa ser executado, acompanhado e avaliado. Alcance da meta (resultados definidos) não implica apenas na EXECUÇÃO das ações. Pode-se executar todas ações e não alcançar o resultado pretendido.

Slide 69

Destacar, nesta transparências e nas seguintes, que o Plano de Ação deve: 1) Conduzir ao alcance do resultado estabelecido na meta; 2) Ter um encadeamento lógico; 3) O período das ações deve estar contido dentro do prazo estabelecido para a meta; 4) Verificar se são ações críticas e estratégicas para o alcance da meta. Desenvolver uma análise do plano apresentado, enfatizando o impacto de cada ação em relação à meta.

Slide 73

Mesmas observações da transparência anterior.

Slide 75

Com a definição dos PLANOS DE AÇÃO concluímos a 3a etapa do PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO, ou seja, concluímos sua elaboração. É preciso agora partir para a 4a e 5a etapas, que são executadas SIMULTANEAMENTE. Ao mesmo tempo que executamos o que foi planejado, também monitoramos e avaliamos os resultados alcançados.

Slide 100

Apresentar os contatos da CGFOR. Apresentar os próprios contatos.

Slide 1

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO ESCOLAS PÚBLICAS

Slide 2

Slide 3

O que é É um plano do Ministério da Educação que tem como prioridade uma educação básica de qualidade. Inclui metas de qualidade para a educação básica. Inclui, também, acompanhamento e assessoria para os municípios com baixos indicadores de ensino e prevê um conjunto de ações em parceria com os entes federados, instituições de ensino superior e organizações da sociedade civil para mobilizar os esforços e as capacidades em favor da educação de qualidade.

Slide 4

Ações do Plano de Desenvolvimento da Educação São propostas várias ações e que não se restringem apenas à educação básica, mas também à educação profissional e ao ensino superior. Além disso algumas ações serão realizadas com a cooperação de outros Ministérios reforçando o sentido de um programa nacional cuja a responsabilidade pela sua execução não se restringe a apenas uma instituição.

Slide 5

Ações do PDE Nacional

Slide 8

Destas ações, 16 estão diretamente ligadas à melhoria do Ideb das escolas.

Slide 9

PLANO DE METAS COMPROMISSO TODOS PELA EDUCAÇÃO

Slide 10

Plano de Metas “ Compromisso Todos pela Educação ” O que é É um plano de metas que integra o Plano de Desenvolvimento da Educação – PDE e tem como foco a melhoria da educação básica. A base do Compromisso é a conjugação de esforços da União, Estados, Distrito Federal e Municípios em regime de colaboração.

Slide 11

Plano de Metas “ Compromisso Todos pela Educação ” Objetivo Melhorar a qualidade da educação básica, por meio do apoio técnico e financeiro do Ministério da Educação, da mobilização de recursos e de parcerias da sociedade em apoio ao trabalho dos Estados, Distrito Federal e municípios em suas redes e escolas.

Slide 12

Plano de Metas “ Compromisso Todos pela Educação “ Componentes Diretrizes para os sistemas de ensino Metas do IDEB para escolas das redes estaduais e municipais Tecnologias Educacionais para apoiar os sistemas públicos de ensino na melhoria dos indicadores da educação básica

Slide 13

O “ Compromisso Todos pela Educação ” estabelece um plano de metas de qualidade a serem alcançadas. O Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (IDEB) foi criado para a definição dessas metas. O IDEB avalia o ensino por escola, município ou estado, tem notas de 0 a 10 e leva em conta o desempenho dos alunos na Prova Brasil e no Saeb, bem como as taxas de aprovação, reprovação e abandono escolar. O IDEB E O PLANO DE METAS

Slide 14

Plano de Metas “ Compromisso Todos pela Educação “ Dimensões Gestão Educacional Formação de Professores e Profissionais de Serviços e Apoio Escolar Práticas Pedagógicas e Avaliação Infra-Estrutura Física e Recursos Pedagógicos

Slide 15

Quem pode participar Todos os Estados, Distrito Federal e municípios poderão aderir ao Compromisso, assinando o Termo de Adesão e se comprometendo com o cumprimento das metas do IDEB. Plano de Metas “ Compromisso Todos pela Educação “

Slide 17

O que é Gestão Escolar Processo inerente a qualquer instituição escolar, que viabiliza a organização, mobilização e articulação de todas as condições técnicas, humanas, materiais e financeiras para garantir o sucesso do aluno.

Slide 18

Objetivo da Gestão Escolar Fazer da escola uma instituição efetiva.

Slide 19

Princípios da Boa Gestão Escolar (1/2) Compartilhamento das responsabilidades Auto-controle dos processos Autonomia competente Conhecimento dos objetivos e domínio de todos os processos e estratégias que levam ao alcance dos mesmos. Disponibilidade de dados e informações Participação da comunidade no esforço de melhoria da gestão e conseqüentemente dos processos de ensino e aprendizagem.

Slide 20

Princípios da Boa Gestão Escolar (2/2) Adoção da visão estratégica no planejamento para garantir unidade aos esforços para a melhoria dos serviços prestados Eqüidade no atendimento aos alunos Decisão fundamentada em fatos e dados Descentralização Aprendizagem do aluno como foco

Slide 21

Condições para a Melhoria do Desempenho dos Alunos e da Escola Fortalecimento da escola:

Slide 22

Escola com Foco no Aluno Coloca o aluno como o principal preocupação da escola. Oferece um ensino de qualidade que garanta ao aluno o direito de aprender. Desenvolve processos voltados para a garantia da satisfação dos alunos.

Slide 23

Coloca a escola como seu principal beneficiário. Oferece condições para o bom funcionamento da escola. Desenvolve processos voltados para garantir condições de funcionamento das escolas e a satisfação da equipe escolar. Secretaria de Educação com Foco na Escola

Slide 24

Planejamento Estratégico Função administrativa que busca estabelecer a direção a ser seguida pela organização, visando um maior grau de interação com o ambiente.

Slide 25

O que é o PDE-Escola? Qual a importância do PDE-Escola? O que representa o PDE-Escola para a escola? Quais as dimensões do PDE-Escola?

Slide 26

PDE 1ª ETAPA Preparação 2ª ETAPA Análise Situacional 3ª ETAPA Definição da Visão Estratégica e do Plano de Suporte Estratégico 4ª ETAPA Execução 5ª ETAPA Monitoramento e Avaliação Processo Processo Produto Etapas do PDE

Slide 27

PDE Visão Estratégica Plano de Suporte Estratégico Valores Visão de Futuro Missão Estratégias Metas Planos de Ação Objetivos Estratégicos PDE - Produto

Slide 28

GRUPO DE SISTEMATIZAÇÃO COLEGIADO ESCOLAR COORDENADOR DO PDE Líder de Objetivo Líder de Objetivo Líder de Objetivo Gerente dos Planos de Ação Gerente dos Planos de Ação Gerente dos Planos de Ação Gerente dos Planos de Ação Gerente dos Planos de Ação Equipe do Planos de Ação Equipe do Planos de Ação Equipe do Planos de Ação Equipe do Planos de Ação Equipe do Planos de Ação PDE - Processo Comitê Estratégico da Escola

Slide 29

Etapas do PDE

Slide 30

A etapa de preparação é aquela em que a escola se organiza para o processo de elaboração do PDE. Nessa etapa, a escola faz todos os preparativos para que a elaboração do PDE ocorra a contento. 1ª Etapa - Preparação

Slide 32

Como avaliar

Slide 33

Etapas do PDE

Slide 34

A Análise Situacional ou diagnóstico compreende as fases: COLETA DE DADOS ANÁLISE DE DADOS SÍNTESE DA AUTO-AVALIAÇÃO: Por meio dos Instrumentos: Perfil e Funcionamento da Escola Análise dos Critérios de Eficácia Avaliação Estratégica 2ª Etapa – Análise Situacional

Slide 36

Como avaliar

Slide 37

Como avaliar

Slide 38

INSTRUMENTOS PARA COLETA E ANÁLISE DE DADOS Levantamento do Perfil e Funcionamento da Escola Análise dos Critérios de Eficácia Escolar Avaliação Estratégica da Escola Síntese da Auto-avaliação

Slide 39

INSTRUMENTO 1 - PFE PERFIL E FUNCIONAMENTO DA ESCOLA Instrumento utilizado para a coleta de dados sobre a caracterização e desempenho da escola 1. Localização 2. Níveis e modalidades de ensino oferecido 3. Dependências escolares 4. Número de alunos 5. Aproveitamento dos alunos 6. Funcionários 7. Recursos financeiros disponíveis 8. Principais projetos 9. Relação das escolas com a Secretaria e com a comunidade

Slide 40

OFICINA 1

Slide 41

INSTRUMENTO 2 - ACEE ANÁLISE DOS CRITÉRIOS DE EFICÁCIA ESCOLAR Instrumento utilizado para avaliar a qualidade da escola em relação aos critérios que são considerados determinantes para o seu sucesso. Critérios de Eficácia: 1. Ensino e Aprendizagem 2. Clima Escolar 3. Pais e Comunidade 4. Gestão de Pessoas 5. Gestão de Processos 6. Infra-estrutura 7. Resultados

Slide 42

OFICINA 2

Slide 43

INSTRUMENTO 3 - AEE AVALIAÇÃO ESTRATÉGICA DA ESCOLA -Instrumento que capta a percepção da liderança da escola quanto à influência dos ambientes interno e externo, identificando-se as variáveis que afetam ou poderão afetar o seu adequado gerenciamento e desempenho. AMBIENTE INTERNO: 1. Forças 2. Fraqueza AMBIENTE EXTERNO: 1. Oportunidade 2. Ameaça

Slide 44

Instrumento de Avaliação Estratégica da Escola Aos membros do Grupo de Sistematização: NA SUA OPINIÃO, 01.Quais são as maiores forças da escola (ambiente interno)? • • • 02.Quais são as principais fraquezas da escola (ambiente interno)? • • • 03.Quais são as maiores oportunidades que se apresentam à escola nos próximos anos (ambiente externo)? • • • 04.Quais são as principais ameaças ou riscos ao desempenho da escola nos próximos anos (ambiente externo)? • • • 05.Quais são as três tarefas mais importantes que a escola deve realizar nos próximos anos?Por que são importantes? • • • Nome:

Slide 45

INSTRUMENTO 3 Avaliação Estratégica da Escola Como é feito: O coordenador do PDE encaminha a cada um dos membros do Grupo de Sistematização o Instrumento de Avaliação Estratégica da Escola. O Coordenador do PDE consolida as respostas do Instrumento e o GS faz a interação entre as quatro variáveis e preenche a Ficha-resumo 3. 27

Slide 46

QUADRO 1 – CONSOLIDAÇÃO DAS FORÇAS, FRAQUEZAS, OPORTUNIDADES E AMEAÇAS Instrumento 3 (Avaliação Estratégica da Escola) Como a Escola pode utilizar suas Forças para... com isso diminuir o impacto das Ameaças? acessar as Oportunidades... eliminando suas Fraquezas e ...

Slide 47

OFICINA 3

Slide 48

Ficha-resumo 1 Ficha-resumo 2 Ficha-resumo 3 Síntese da Auto-avaliação

Slide 49

Com as informações sobre passado verificamos onde e como estamos no presente. 2ª Etapa – Análise Situacional

Slide 50

INSTRUMENTO 1 Baixo desempenho nas disciplinas português e matemática na ----série. Alto índice de reprovação na-----série. Os coordenadores detêm pouco conhecimento sobre a utilização do material pedagógico. O aluno não cumpre a tarefa de casa regularmente. 5. Rotatividade dos profissionais. INSTRUMENTO 3 Pouca utilização do material pedagógico. A biblioteca é usada inadequadamente. Inexistência de um sistema de avaliação da equipe escolar. Situações indesejadas identificadas nas Fichas Resumo 1, 2 e 3. INSTRUMENTO 2 Práticas pedagógicas ineficazes. Pouca utilização de recursos didático-pedagógicos. Baixo desempenho acadêmico dos alunos.

Slide 51

OFICINA 4

Slide 52

Plano de Desenvolvimento da Escola DIAGNÓSTICO VISÃO DE FUTURO “ COMO SOMOS” “ COMO QUEREMOS SER”.

Slide 53

Etapas do PDE

Slide 54

Expressa a percepção que a Escola tem do seu passado, do seu momento atual e do direcionamento do seu futuro. Expressa o conhecimento que a Escola tem de si mesma: seus êxitos, seus fracassos, suas potencialidades, suas limitações, suas certezas e os caminhos que pode e quer percorrer. 3ª Etapa Visão Estratégica

Slide 55

Para uma boa definição da VISÃO ESTRATÉGICA é importante considerar os seguintes pontos: Qual Escola se deseja ter? O que pretende que as pessoas falem como resultado do trabalho conjunto? De que modo essa VISÃO ESTRATÉGICA representa os interesses dos cidadãos e os valores que a Escola defende? Como será a Escola quando se atingir esta Visão? A Escola terá uma VISÃO ESTRATÉGICA de si mesma quando as questões acima estiverem claramente respondidas e internalizadas. 3ª Etapa – Visão Estratégica

Slide 56

COMPONENTES DA VISÃO ESTRATÉGICA OBJETIVOS ESTRATÉGICOS MISSÃO VISÃO DE FUTURO VALORES VISÃO ESTRATÉGICA

Slide 57

VALORES São as idéias fundamentais em torno das quais se constrói a Escola. Representam as convicções dominantes, as crenças básicas que permeiam todas as atividades e relações existentes na Escola e da Escola com os beneficiários internos e externos. OS VALORES descrevem como a Escola pretende atuar, no cotidiano, enquanto busca realizar sua VISÃO. Exemplo: INOVAÇÃO: Respondemos com agilidade e criatividade aos desafios educacionais.

Slide 58

VISÃO DE FUTURO Define o que a Escola pretende ser no futuro. Incorpora as ambições da Escola e descreve o quadro futuro que se quer atingir. A definição de onde se pretende chegar permite entender com clareza o que é preciso mudar na Escola, ou como ela precisa mudar para que a VISÃO DE FUTURO seja concretizada. Exemplo: Seremos uma Escola de referência na garantia de um ensino de qualidade, trabalhando com transparência e valorizando a ética e ações inovadoras.

Slide 59

MISSÃO É uma declaração sobre o que é a Escola, sua razão de ser e os serviços que presta; serve de critério geral para orientar a tomada de decisões, para definir objetivos e auxiliar na escolha de decisões estratégicas; deve refletir os valores compartilhados pela Escola. Exemplo: Nossa escola tem por missão garantir um ensino de qualidade, através de ações efetivas, inovadoras e éticas, buscando assegurar um atendimento efetivo às necessidades e expectativas de nossas comunidades.

Slide 60

OBJETIVOS ESTRATÉGICOS São os alvos a serem perseguidos ou as situações que a Escola pretende atingir, num dado período de tempo (2 a 5 anos). Refletem aquelas poucas prioridades estratégicas (quatro ou cinco) ligadas à VISÃO, que direcionarão o trabalho da Escola. Exemplo: 1. Melhorar o desempenho dos alunos 2. Dinamizar a gestão da Escola.

Slide 61

Oficina 5

Slide 62

O PLANO DE SUPORTE ESTRATÉGICO é composto pelas estratégias, metas e planos de ação (com definição de responsabilidades), que darão a sustentação necessária para a transformação da VISÃO ESTRATÉGICA em ações práticas. Implicam consistência, constância e o desejo de avaliação dos resultados da Escola. 3ª Etapa Plano de Suporte Estratégico

Slide 63

ESTRATÉGIAS Meios ou formas de atuação para se atingir os objetivos estratégicos Emanam dos OBEJTIVOS ESTRATÉGICOS. Tem vida relativamente longa. São de natureza qualitativa. São suficientemente amplas para englobar o que se deseja fazer em termos táticos (planejar ações) com relação a cada objetivo. Respondem às seguintes perguntas: O que fazer para realizar os objetivos estratégicos da Escola? O que fazer para concretizar os objetivos estratégicos da Escola? Como chegar aonde a Escola quer chegar?

Slide 64

Plano de Suporte Estratégico Exemplo

Slide 65

METAS Definem os resultados a serem atingidos para que os objetivos estratégicos possam ser alcançados. Diretamente ligadas às respectivas estratégias. São específicas, realistas, e devem ter o enunciado iniciado com verbo no infinitivo. São de natureza operacional, quantitativa e mensurável. Tem um prazo curto de execução e um responsável. “A ESCOLA deve ter condições de responder com clareza sobre qual problema, identificado na análise situacional, cada meta pretende solucionar. Se a ESCOLA não tiver condições de fazer isso, a meta não terá consistência e terá de ser revista”.

Slide 66

Plano de Suporte Estratégico Exemplo

Slide 67

PLANOS DE AÇÃO Detalhamento das metas em ações, assinalando-se para cada ação o período de realização, o responsável, o resultado esperado, o indicador para medir o resultado da ação, uma estimativa de seu custo (corrente ou capital) e quem financia a ação. Cada meta corresponde um PLANO DE AÇÃO. As ações do PLANO DE AÇÃO devem: Ter um encadeamento lógico. Ser consideradas críticas e estratégicas para o alcance da meta. Ser enunciadas com verbo no infinitivo e ser quantificada. Ter um prazo de início e término para sua execução. Ter um responsável. Definir o resultado esperado. Estabelecer o indicador que irá medir o alcance do proposto na ação. Definir o custo, subdividido em Capital e Custeio e quem financia.

Slide 68

PLANOS DE AÇÃO PASSOS PARA ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO: Identificar corretamente o problema e a meta. Identificar as causas do problema. Desenvolver opções de solução do problema, buscando bloquear ou eliminar as causas que lhe deram origem. Detalhar o plano de ação. Executar o plano de ação. Acompanhar e controlar o progresso. Concluir a execução do Plano de ação. Avaliar os resultados alcançados.

Slide 69

Desdobramento das Metas em Planos de Ação Nome da Escola: Escola Municipal Prof. “João Batista” Objetivo Estratégico: 1. Melhorar o desempenho dos alunos Líder do Objetivo: Profª Maria Estratégia: Concentrar esforços nas séries e disciplinas críticas. Meta: 1.2.1. Aumentar de 65% para 75% o índice de aprovação nas 5ª séries, em Português. Indicador da Meta: (nº de alunos aprovados nas 5ª séries, em Português/nº total de alunos das 5ª séries)x100 Gerente do Plano de Ação: Profª Alice Início: Fev/2007 Revisão: bimestral Término: Dez/2007

Slide 73

OFICINA 6

Slide 74

Etapas do PDE

Slide 75

O sucesso do PLANO DE AÇÃO depende não só de uma boa elaboração, mas, principalmente, de um bom monitoramento e avaliação de sua EXECUÇÃO. QUEM PARTICIPA: Comitê Estratégico, Coordenador do PDE, Líderes de objetivos, Gerentes Do Plano de Ação e Equipes dos Planos de Ação 4ª e 5ª ETAPAS -Execução, Monitoramento e Avaliação

Slide 76

Grupo de Sistematização Colegiado Escolar Coordenador do PDE Líder de Objetivo Gerente do Plano de Ação Equipe do Plano de Ação ESTRUTURA PARA IMPLEMENTAÇÃO DO PDE COMITÊ ESTRATÉGICO DA ESCOLA

Slide 77

REUNIÕES Para operacionalizar a estrutura de Execução, Monitoramento e Avaliação, reuniões devem ser agendadas e realizadas com freqüência ou sempre que necessário: reunião do Grupo de Sistematização; reunião entre o Coordenador do PDE e cada líder de objetivo; reunião entre cada líder de objetivo e os gerentes do plano de ação de seu objetivo estratégico; reunião entre cada gerente de plano de ação e sua equipe; reunião entre os membros de cada equipe de plano de ação.

Slide 78

Acompanhamento das Metas do Plano de Ação Nome da Escola: Objetivo Estratégico: Líder do Objetivo: Estratégia: Meta: Indicador da Meta: Gerente do Plano de Ação: Início: Revisão: Término: Relatório nº: Data: Responsável pelo preenchimento: Item 01

Slide 79

Item 02 Problemas / Soluções propostas Item 03 Observações e/ou recomendações

Slide 81

Comitê Estratégico da Secretaria O que é? É o grupo de técnicos da secretaria que acompanham a escola na elaboração e execução do PDE.

Slide 82

Comitê Estratégico Responsabilidades Verificar se: há coerência entre os dados levantados no diagnóstico e as ações propostas no Plano de Ação; há consistência entre objetivos, estratégias e metas nos planos; as ações propostas nos planos são relevantes para a melhoria dos processos de ensino e de aprendizagem; as escolas estão considerando todos os recursos recebidos no seu planejamento.

Slide 83

Comitê Estratégico O que faz: Analisa e aprova o PDE de todas as escolas de sua rede com base nos critérios técnicos, pedagógicos e financeiros exigidos pela metodologia.

Slide 84

Comitê Estratégico Como faz: realiza reuniões técnicas nas escolas que estão implantando o PDE, durante e no final da elaboração de cada etapa, para orientar a equipe escolar. assume, ao final do processo de elaboração do PDE das escolas de sua rede, a responsabilidade pela avaliação final e aprovação do plano de cada escola; emite um parecer técnico para o grupo de escolas de sua rede, atestando a qualidade de cada PDE aprovado.

Slide 85

PLANO DE AÇÕES FINANCIÁVEIS

Slide 86

Conjunto de metas e ações selecionado pela escola, a partir de seu Plano de Desenvolvimento da Escola que visa auxiliar a escola na melhoria da aprendizagem dos alunos e do IDEB – Índice de Desenvolvimento da Educação Básica. O que é?

Slide 87

Financiar algumas metas e ações contidas no Plano de Desenvolvimento da Escola – PDE. Para que Serve?

Slide 88

Escola Identificar as metas e ações que viabilizarão os recursos necessários para a sua execução e o agente ou a linha de crédito que a escola dispõe para financiar a execução da mesma. Relacionar, prioritariamente, essas metas e ações aos objetivos e estratégias que visem a melhoria do processo pedagógico e do desempenho dos alunos. Como Fazer?

Slide 89

Secretaria de Educação Prestar assessoramento técnico às escolas na elaboração do Plano. Analisar e aprovar o plano. Inserir as ações financiáveis no sistema. Acompanhar e prestar assistência técnica na execução do Plano. Como Fazer?

Slide 90

Faixa de Valor do Distribuição dos Custos alunos nas Repasse escolas Capital (40%) Custeio (60%) até 99 R$ 10.000,00 R$ 4.000,00 R$ 6.000,00 100 a 499 R$ 16.000,00 R$ 6.400,00 R$ 9.600,00 500 a 999 R$ 31.000,00 R$ 12.400,00 R$ 18.600,00 1.000 a 1.999 R$ 43.000,00 R$ 17.200,00 R$ 25.800,00 2.000 a 2.999 R$ 53.000,00 R$ 21.200,00 R$ 31.800,00 3.000 a 3.999 R$ 65.000,00 R$ 26.000,00 R$ 39.000,00 acima de 4.000 R$ 75.000,00 R$ 30.000,00 R$ 45.000,00 Faixas de financiamento

Slide 91

Diretamente às Unidades Executoras das escolas beneficiadas, condicionados à prévia celebração do Termo de compromisso com a entidade mantenedora da escola e à existência, de Unidade Executora própria ou consorciada, cadastrada no FNDE, na data de inserção das informações do Plano. Como são repassados os recursos?

Slide 92

Quem aprova? Aprovado pelo Comitê Estratégico, constituído no âmbito: Municipal: por um grupo de técnicos da Secretaria Municipal dentre os responsáveis pelo monitoramento das escolas municipais, com conhecimento na Metodologia do PDE-Escola. Estadual: por um grupo de técnicos da Secretaria Estadual dentre os responsáveis pelo monitoramento das escolas estaduais, com conhecimento na Metodologia do PDE-Escola.

Slide 93

PDE-Escola aprovado pelo Comitê Estratégico da Secretaria. Plano de Ações Financiáveis aprovado pelo Comitê Estratégico. Inserção dos dados do Plano de Ações Financiáveis no sistema do FNDE pelo Comitê Estratégico. Quais são os requisitos para recebimento do recurso?

Slide 94

O Comitê Estratégico da Secretaria de Educação Estadual ou Municipal realizará o monitoramento das escolas para acompanhar a execução do Plano de Ações Financiáveis e prestará o assessoramento técnico necessário para o alcance dos resultados esperados. Como será o acompanhamento da execução?

Slide 95

O PDE–Escola, em seu Plano de Ações Financiáveis, terá como processo de prestação de contas o mesmo executado pelo PDDE/FNDE. Como será a prestação de contas?

Slide 96

ANEXO I – Formulário A DADOS DA ESCOLA FICHA DE IDENTIFICAÇÃO DA ESCOLA E DOS RESPONSÁVEIS POR SUA EXECUÇÃO Nome da Escola: _________________________________________________________ Esfera administrativa: ( ) Estadual ( ) Municipal Código da Escola no SEEC: ________________________________________________ Endereço: _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ _______________________________________________________________________ Telefone: ______________________ Localização: ( ) Urbana ( ) Periferia ( ) Rural Número de alunos do Ensino Fundamental conforme Censo Escolar: ________________ Número de Professores: _____________ Anos oferecidos: ________________________ Turnos: ( ) Matutino ( ) Vespertino ( ) Noturno Número de turmas:____________

Slide 97

ANEXO I – Formulário B R E S P O N S Á V E I S P E L O P D E DIRETOR DA ESCOLA Nome: _______________________________________________________________ Telefone: _____________________________________________________________ Assinatura: ___________________________________________________________ COORDENADOR DO PDE-ESCOLA Nome: ________________________________________________________________ Telefone: _____________________________________________________________ Assinatura: ___________________________________________________________ Data de elaboração do Plano de Ações Financiáveis:_________________________ Data de aprovação do PAF pelo Grupo de Sistematização do Pde-Escola:_______ Data do início das ações: ______________ Data do término das ações:__________

Slide 98

PDE-Escola Compromisso Todos pela Educação Plano de Desenvolvimento da Educação Esforço de todos para melhoria da educação pública brasileira.

Slide 99

Objetivos do curso de formação de formadores PDE-Escola Após a conclusão deste curso, os formadores do PDE-Escola deverão ter competência para: Discorrer sobre o Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação; Conhecer a importância recente da Gestão da Escola; Contextualizar índices de rendimento da aprendizagem apurados por instituições externas à escola (Pisa, Ideb, Saeb, Prova Brasil, sistemas de avaliação estaduais e municipais, entre outros); Analisar o rendimento da aprendizagem (taxa de aprovação, taxa de reprovação, taxa de abandono, taxa de distorção idade-série, produtividade da escola, disciplinas críticas, entre outros); Elaborar a síntese diagnóstica, a visão estratégica, o plano de suporte estratégico e os correspondentes planos de ação que constituem o documento do PDE-Escola; Finalizar documento contendo o PDE-Escola; Elaborar sistema de monitoramento inteligente para acompanhamento do PDE-Escola ao longo de até cinco anos; Viabilizar recursos de agentes ou linhas de crédito que financiem a execução das metas e ações do PDE-Escola.

Slide 100

DGFOR – Divisão Geral de Fortalecimento Institucional Lilian Barboza de Sena (lilian.sena@fnde.gov.br) Ana Paula (ana.figueiredo@fnde.gov.br) Eliane Assis (eliane.assis@fnde.gov.br) Sérgio Costa (sergio.costa@fnde.gov.br) Maria de Fátima (maria.oliveira2@fnde.gov.br Renato Nunes (renato.nunes@fnde.gov.br) Viviane Moreira (viviane.moreira@fnde.gov.br) Sisley Rocha (sisley.rocha@fnde.gov.br) Maurício Apolinário (mauricio.apolinario@fnde.gov.br) Waldete Rosa (waldete.rosa@fnde.gov.br) Fones: (0xx61) (0xx61) 3966-5919 Fax: 3966-4767 Contatos DIPRO: dipro_fundescola@fnde.gov.br

Slide 101

Fim

Slide 102

O PDE-Escola é um processo gerencial utilizado com o propósito de auxiliar a escola a realizar melhor o seu trabalho. que fortalece a escola; que contribui e viabiliza a autonomia da escola; que viabiliza a gestão democrática da escola; que contribui para o fortalecimento da gestão pedagógica. O PDE-Escola tem por objetivo viabilizar a gestão democrática da escola, fortalecer a autonomia da gestão escolar a partir de um diagnóstico dos desafios de cada escola, e a partir da definição de um plano de gestão para a melhoria dos seus resultados, com foco na aprendizagem dos alunos.

Slide 103

O PDE-Escola vê a escola como um todo em sua perspectiva estratégica, não apenas em sua dimensão pedagógica. O processo de elaboração do PDE-Escola sinaliza que a escola deixou de ser meramente cumpridora de normas, mas que busca nova identidade, novo dinamismo, novo compromisso, que está próxima e a serviço dos alunos, dos pais e da comunidade.

Slide 104

A elaboração do PDE-Escola representa para a escola um momento de análise de seu desempenho, ou seja, de seus processos, de seus resultados. É uma ferramenta gerencial que auxilia a escola a definir suas prioridades estratégicas, a converter as prioridades em metas educacionais e outras concretas, a decidir o que fazer para alcançar as metas de aprendizagem e outras estabelecidas, a medir se os resultados foram atingidos e a avaliar o próprio desempenho.

Slide 105

Cultural – visa alavancar mudanças na cultura organizacional e rotinas das escolas; Operacional – visa alavancar a eficiência da escola para o alcance de melhores resultados educacionais e melhoria da qualidade do desempenho do aluno.

Slide 106

Ensino Aprendizagem Principal processo da escola, diz respeito à aquisição do conhecimento e habilidades por parte dos alunos, proposta pedagógica, planejamento, método pedagógico, estratégias de ensino, práticas educacionais e avaliação da aprendizagem, material didático e pedagógico em quantidade e qualidade suficientes.

Slide 107

Clima Escolar Atmosfera geral da escola, liderança, ordem, disciplina, segurança e compromisso, ambiente propício à aprendizagem.

Slide 108

Pais e Comunidade Participação e cooperação institucional dos pais e comunidade na escola, contribuição dos pais e de outros parceiros para o sucesso acadêmico dos alunos e para o melhor desempenho da escola.

Slide 109

Gestão de Pessoas Excelência da equipe para o desempenho das funções com profissionais habilitados e capacitados.

Slide 110

Gestão de Processos Clara compreensão da missão da escola, objetivos claros e amplamente difundidos, planejamento estratégico, método gerencial definido, gerenciamento da rotina, trabalho em equipe, informações gerenciais, existência de indicadores e de avaliações de gestão.

Slide 111

Infra-estrutura Condições materiais de funcionamento (instalações, equipamentos) para que o ensino e a aprendizagem aconteçam de forma adequada.

Slide 112

Resultados Desempenho geral da escola: taxas de aprovação, reprovação, abandono, distorção idade-série, satisfação dos alunos, pais, colaboradores e sociedade, indicadores de melhoria das práticas de gestão, cumprimento das metas estabelecidas.

Slide 113

Análise do ambiente interno à escola: Forças (ou pontos fortes): aquilo que a escola deveria estar fazendo e já está fazendo bem. São variáveis que a escola controla, isto é, tem governabilidade sobre elas e executa bem. Exemplo: liderança forte e atuante

Slide 114

Análise do ambiente interno à escola: Fraquezas (ou pontos fracos): aquilo que a escola deveria estar fazendo e não está fazendo ou não está fazendo bem. São variáveis que a escola controla, mas executa mal. Os pontos fracos devem ser entendidos com a conotação positiva de oportunidades de melhoria para a escola. Exemplo: acompanhamento deficiente dos alunos.

Slide 115

Análise do ambiente externo à escola: Oportunidades: situações externas à escola, não controladas por ela (de natureza política, econômica, social, tecnológica, legal) que, se conhecidas a tempo, podem ser melhor aproveitadas pela escola enquanto perduram, dependendo das condições internas da escola. Exemplo: cursos oferecidos pela Secretaria de Educação etc.

Slide 116

Análise do ambiente externo à escola: Ameaças (ou riscos): situações externas à escola, não controladas por ela (de natureza política, econômica, social, tecnológica, legal), que se conhecidas a tempo podem ter o seu impacto minimizado. As ameaças são situações que podem se concretizar ou não e seus impactos podem afetar ou não a escola, dependendo de suas condições internas de neutralização. Exemplo: falta de autonomia

URL: