ZOOLOGIA - Platelmintos

+52

No comments posted yet

Comments

Slide 5

REPRODUÇÃO A reprodução dos cnidários ocorre por processos sexuado e assexuado, por muitas vezes ocorrendo alternância de gerações sexuadas e assexuadas no ciclo, isto é chamado metagênese. Pólipos realizam predominantemente reprodução assexuada e medusas sexuada. REPRODUÇÃO NAS HIDRAS: A reprodução assexuada das hidras ocorre por brotamento e regeneração. a) Brotamento: ocorre o surgimento de brotos na parede do corpo que se desenvolvem em hidras jovens e eventualmente se separam da hidra parental (hidra-mãe). b) Regeneração: quando o corpo de uma hidra é dividido as partes podem se regeneram formando novos indivíduos. Novas hidras podem ser obtidas somente a partir da epiderme ou da gastroderme. As células interticiais encontradas nas duas camadas (células totipotentes) são capazes de formar as otras células para organizar o corpo de novas hidras. A alta capacidade regenerativa das hidras é um reflexo da organização corporal extremamente simples formada por poucas camadas, tecidos pouco complexos e principalmente da existência de grande quantidade de células totipotentes nos adultos (células indiferenciadas). A reprodução sexuada das hidras geralmente inicia-se com gametas masculinos e femininos sendo produzidos em corpos separados (dióicos). As gônadas (testículos e ovários) são temporárias, sendo produzidas no inicio do outono, sincronizadas com a queda de temperatura. Os espermatozóides lançados na água nadam e penetram no corpo das hidras fêmeas e fecundam o óvulo (fecundação interna). Na parede do corpo será formado o zigoto e ocorrerá o desenvolvimento embrionário. O embrião é envolvido por uma capa protetora formando um cisto embrionário que será liberado no meio ambiente (vivíparos). Na forma de cisto, o embrião encontra-se protegido e pode sobreviver em dormência por meses resistindo as baixas temperaturas do inverno em regiões temperadas. Reprodução nos hidróides – Obelia sp Hidróides são cnidários polimórficos (apresentam fase polipóide e medusóide no ciclo de vida) coloniais da mesma classe das hidras. Os hidróides são colônias heteromóficas (polimórficas), ou seja, formada por organismos funcionalmente e morfologicamente distintos. Os pólipos são predominantes no clico de vida de um hidróide. O pólipo colonial de um hidróide é formado por uma base, um pedúnculo e e zoóides terminais. Zoóides são tipos funcionais na colônia. A base da colônia prende-se ao substrato por hidrorrizas dos quais origina o pedúnculo (hidrocaule). Presos ao hidrocaule estão os pólipos individuais (zoóides). Existem zoóides do tipo gastrozóide e gonozóides. a) gastrozóides: A maioria dos zooóides são pólipos de alimentação (gastrozóides ou hidrantes) possuem uma boca margeada por tentáculos que capturam o alimento, pequenos crustáceos e larvas diversar, digerem o alimento e nutrem a colônia. A digestão é extra e intracelular. A distribuição dos nutrientes da digestão é realizada por um cavidade gastrovascular comum a toda a colônia. b) Gonozóides: são pólipos de reprodução assexuada que por brotamento geram novos pólipos da colônia ou medusas livre natantes. A medusas livre natantes de Obelia são pequenas 2 a 3 mm. Ao amadurecerem produzem gametas que são lançados na água (fecundação externa). O zigoto desenvolve-se no meio aquático e forma uma larva plânula que ao se fixar no substrato se desenvolverá na forma de um pólipo colonial. Na fase polipóide de um hidróide ocorre reprodução assexuada e na medusóide reprodução sexuada. A alternância de gerações assexuada e sexuada é denominada metagênese. Reprodução nos cifozoários – Aurelia aurita Denomina-se cifozoário os cnidários da classe Scyphozoa, que agrupa a maioria das águas-vivas. Os cifozoários apresentam em seu ciclo de vida polimorfismo (apresentam fase medusóide e polipoide.). A fase medusóide predomina no ciclo de vida de um cifosoário. As medusas possuem sexos separados (dióicos), as gônadas localizam-se na cavidade gastrovascular no interior dos tentáculos. A fecundação cruzada ocorre no interior dos tentáculos (fecundação interna). O desenvolvimento embrionário pode se dar de forma interna ou externa (são vivíparos) formando a larva ciliada chamada plânula. A plânula fixa-se ao substrato e forma um pólipo chamado cifístoma. A cifístoma (pópipo) reproduz-se assexuadamente sofrendo brotamentos lineares sequenciais, uma processo chamado estrobilização. Cada broto que se solta da cifístoma é achatado e é chamado éfira. As éfiras crescem e formam águas vivas maduras na forma medusóide. Na fase medusóide a reprodução é sexuada, na polipóide é assexuada. A alternância de uma geração sexuada com uma assexuada é denominada metagênese.

Slide 1

Exemplos: Planária, Schistosoma mansoni, Taenia solium, Taenia saginata, Fasciola hepática, Echinococcus granulosus ... Biodiversidade: cerca de 20.000 espécies. Exemplos e Biodiversidade Planária Fasciola hepatica Schistosoma mansoni Taenia solium Echinococcus granulosus

Slide 2

Características diagnósticas Eucariontes Pluricelulares Heterotróficos Ingerem o alimento Triblásticos Protostômios Acelomados Habitat aquáticos e terrestre úmido Vida livre e parasitas Isolados Características gerais Corpo achatado Novidades evolutivas Simetria bilateral primária Cefalização Três tecidos embrionários Sistema nervoso ganglionar Sistema excretor Sistema reprodutivo permanente

Slide 3

Estrutura do Corpo e Fisiologia da Planária Gânglio nervoso Cordão nervoso ventral Comissura transversal Cabeça Ocelos Intestino Boca Faringe protáctil Abertura da faringe Sistema digestório incompleto Sistema nervoso ganglionar ventral (hiponêuro) Intestino Sistema excretor Poro excretor Célula – flama (solenócito) Tubulo excretor Cílios

Slide 4

Reprodução da Planária Reprodução sexuada Reprodução assexuada Reprodução sexuada Monóica (hermafrodita ou bissexuado) Fecundação cruzada e interna Desenvolvimento externo e direto Laceração seguida por regeneração Receptáculo seminal

Slide 5

Corte transversal no corpo de uma planária

Slide 6

Classificação Reino Animalia ou Metazoa Subreino Eumetazoa Filo Platyhelminthes Classe Turbellaria Classe Trematoda Classe Cestoda Classe Turbellaria Vida livre Sistema digestório incompleto bem desenvolvido Faringe tubular protáctil Órgãos do sentido bem desenvolvidos Monóicos – fecundação cruzada Classe Trematoda Parasitas Sistema digestório incompleto pouco desenvolvido Órgãos do sentido pouco desenvolvido Dióicos com dimorfismo sexual fecundação cruzada Classe Cestoda Parasitas Sistema digestório ausente Órgãos do sentido pouco desenvolvidos Monóicos – autofecundarão e fecundação cruzada Corpo segmentado Planária Schistosoma mansoni Echinococcus granulosus

Slide 7

Classe Turbellaria Planária Cabeça Vida livre Sistema digestório incompleto bem desenvolvido Faringe tubular protáctil Órgãos do sentido bem desenvolvidos Monóicos – fecundação cruzada Ocelos

Slide 8

Classe Trematoda Schistosoma mansoni Macho Fêmea Canal ginecóforo Boca Ventosa Fasciola hepatica Parasitas Sistema digestório incompleto pouco desenvolvido Órgãos do sentido pouco desenvolvido Dióicos com dimorfismo sexual Fecundação cruzada

Slide 9

Classe Cestoda Escólex (cabeça) Estróbilo formado por proglotes Taenia solium Ventosas de fixação Ganchos quitinosos Parasitas Sistema digestório ausente Órgãos do sentido pouco desenvolvidos Monóicos – autofecundarão e fecundação cruzada Corpo segmentado Proglotes maduro

Slide 10

Classe Cestoda Escólex (cabeça) Proglotes maduro Taenia saginata Ventosas de fixação Estróbilo formado por proglotes Parasitas Sistema digestório ausente Órgãos do sentido pouco desenvolvidos Monóicos – autofecundarão e fecundação cruzada Corpo segmentado

Slide 11

Classe Cestoda Estróbilo formado por proglotes Escólex (cabeça) Colo Estróbilo Proglote Echinococcus granulosus Parasitas Sistema digestório ausente Órgãos do sentido pouco desenvolvidos Monóicos – autofecundarão e fecundação cruzada Corpo segmentado

Slide 12

Platelmintos Parasitas Classe Trematoda Schistosoma mansoni O Schistosoma mansoni é: Agente etiológico da: __________________________ __________________________ Parasita digenético H. Definitivo: ________________ H. Intermediário: _____________ Transmissão: _______________ ___________________________ ___________________________ ___________________________ Sintomas: __________________ ___________________________ ___________________________ ___________________________ Profilaxia: __________________ _________________________ ______________________ Ovo é liberado com as fezes Larva miracídio Caramujo Planorbídeo (Biomphalaria) Larva cercaria (forma infestante) Penetração cutânea Larvas amadurecem no fígado Macho Fêmea Intestino Lagoa

Slide 13

Platelmintos Parasitas Classe Trematoda Schistosoma mansoni Vermes adultos Ovo com espinho Larva cercaria (forma infestante) Sintoma Inchaço abdominal (“barriga de água”)

Slide 14

Platelmintos Parasitas Classe Cestoda Taenia solium A Taenia solium é: Agente etiológico da: __________________________ __________________________ Parasita digenético H. Definitivo: ________________ H. Intermediário: _____________ Transmissão: _______________ ___________________________ ___________________________ ___________________________ Sintomas: __________________ ___________________________ ___________________________ ___________________________ Profilaxia: __________________ _________________________ ______________________ Larva cisticerco no sistema nervoso Carne infectado com a larva cisticerco Ovo Cisticerco Taenia (adulta) Proglotes grávidos Proglotes grávidos são liberados com as fezes Ovo Ovo Cisticerco na musculatura esquelética (carne)

Slide 15

Platelmintos Parasitas Classe Cestoda Taenia solium Ganchos quitinosos Estróbilo com vários proglotes Cisticerco no globo ocular Cisticerco no músculo da língua Vários cisticercos no cérebro Taenia solium adulta Escólex Colo Estróbilo

Slide 16

Platelmintos Parasitas Classe Cestoda Taenia saginata A Taenia saginata é: Agente etiológico da: __________________________ __________________________ Parasita digenético H. Definitivo: ________________ H. Intermediário: _____________ Transmissão: _______________ ___________________________ ___________________________ ___________________________ Sintomas: __________________ ___________________________ ___________________________ ___________________________ Profilaxia: __________________ _________________________ ______________________ Carne infectado com a larva cisticerco Larva cisticerco Taenia (adulta) Proglotes grávidos Proglotes grávidos são liberados com as fezes Ovo Cisticerco na musculatura esquelética (carne)

Slide 17

Platelmintos Parasitas Classe Cestoda Echinococcus granulosus O Echinococcus granulosus é: Agente etiológico da: ____________________________ ____________________________ Parasita digenético H. Definitivo: ________________ H. Intermediário: _____________ Transmissão: _______________ ___________________________ ___________________________ ___________________________ Sintomas: __________________ ___________________________ ___________________________ ___________________________ Profilaxia: __________________ _________________________ ______________________ Echinococcus granulosus (adulto) Proglote grávido Ovo Cistos em vários órgãos no homem Cistos em vários órgãos do carneiro Cistos em vários órgãos do carneiro

Slide 18

Platelmintos Parasitas Classe Cestoda Echinococcus granulosus Vísceras com cistos hidáticos (no interior há a larva cisticerco) Echinococcus granulosos (adulto)

Slide 19

Relações Evolutivas dos platelmintos

Slide 20

Questões de Revisão

Slide 21

Mapa de estudos

Tags: biologia vestibular zoologia platelmintos

URL: