Do Condado portucalense ao reino de Portugal

+19

No comments posted yet

Comments

Slide 1

Fases da Reconquista Do Condado Portucalense ao Reino de Portugal

Slide 2

Introdução As conquistas aos Muçulmanos e o desenvolvimento económico permitiram a afirmação de Portugal no conjunto das monarquias ibéricas. A fixação do território português foi um resultado da Reconquista Cristã. Esta foi um processo de sucessos e revezes. O avanço das fronteiras fez-se de Norte para Sul e de Ocidente para Oriente, acompanhando o curso dos rios (Douro, Mondego, Tejo, Sado, Guadiana). A fixação do território ficou concluída no século XIII, definindo-se então as fronteiras que, aproximadamente, permaneceram até hoje.

Slide 3

D. Afonso Henriques (1109?-1185) O Conquistador Com origem no Condado Portucalense, o Reino de Portugal tornou-se independente, no século XII, graças à acção de D. Afonso Henriques. 1128 – Batalha de São Mamede. D. Afonso Henriques derrota as tropas de sua mãe, D. Teresa, assumindo o governo do Condado. A partir desta data dedicou-se principalmente a duas tarefas: - aumentar os territórios para sul, conquistando novas terras aos Muçulmanos; - conseguir a independência do Condado, travando para isso várias guerras contra o primo, Afonso VII, rei de Leão e Castela, a quem devia vassalagem. As batalhas de Cerneja (1137) e de Arcos de Valdevez (1140), que D. Afonso Henriques venceu, são exemplos dessas lutas.

Slide 4

D. Afonso Henriques (1109?-1185)

Slide 5

D. Afonso Henriques (Reinado: 1143-1185) 1143 – Conferência de Zamora. Afonso VII reconheceu a D. Afonso Henriques o título de rex, que já usava desde 1139 (Batalha de Ourique), mas com a condição de continuar a prestar-lhe vassalagem. Decidido a pôr cobro a tal sujeição, D. Afonso Henriques procurou o reconhecimento do seu título e do seu reino perante o Papa. - Nesta época, o Papa, chefe supremo da Igreja Católica tinha muitos poderes. Todos os reis e imperadores cristãos lhe deviam obediência e fidelidade. Quando se formava um reino cristão era necessário que o Papa reconhecesse a sua independência e confirmasse o título de rei ao seu primeiro monarca. Só assim a independência do novo reino seria respeitada pelos outros reis cristãos. Em 1142, encomendou Portugal à Santa Sé, considerando-se seu vassalo lígio e prometendo um tributo anual em ouro. Mandou construir e restaurar sés e igrejas, e deu algumas propriedades e regalias aos mosteiros.

Slide 6

D. Afonso Henriques (1109?-1185) 1179 – Bula Manifestis Probatum. Finalmente, o Papa Alexandre III reconheceu D. Afonso Henriques como rei e Portugal como reino independente. “Alexandre, Bispo, Servo dos Servos de Deus, ao Caríssimo filho em Cristo, Afonso, Ilustre Rei dos Portugueses, e a seus herdeiros, in perpetuum. Está claramente demonstrado que, como bom filho e príncipe católico, prestaste inumeráveis serviços a tua mãe, a Santa Igreja, exterminando intrepidamente em porfiados trabalhos e proezas militares os inimigos do nome cristão e propagando diligentemente a fé cristã, assim deixaste aos vindouros nome digno de memória e exemplo merecedor de imitação. Deve a Sé Apostólica amar com sincero afecto e procurar atender eficazmente, em suas justas súplicas, os que a Providência divina escolheu para governo e salvação do povo. Por isso, Nós, atendemos às qualidades de prudência, justiça e idoneidade de governo que ilustram a tua pessoa, tomamo-la sob a protecção de São Pedro e nossa, e concedemos e confirmamos por autoridade apostólica ao teu excelso domínio o reino de Portugal com inteiras honras de reino e a dignidade que aos reis pertence, bem como todos os lugares que com o auxílio da graça celeste conquistaste das mãos dos Sarracenos e nos quais não podem reivindicar direitos os vizinhos príncipes cristãos. E para que mais te fervores em devoção e serviço ao príncipe dos apóstolos S. Pedro e à Santa Igreja de Roma, decidimos fazer a mesma concessão a teus herdeiros e, com a ajuda de Deus, prometemos defender-lha, quanto caiba em nosso apostólico magistério”.

Slide 7

D. Afonso Henriques (1109?-1185) Os passos mais importantes do seu reinado foram: Procurou fixar a população, promoveu o municipalismo e concedeu forais. Contou com a ajuda da ordem religiosa dos Cistercienses para o desenvolvimento da economia, predominantemente agrária. Fundou o Mosteiro de Santa Cruz de Coimbra em 1131. Pacificou o reino e alargou o território através de conquistas aos Mouros: Leiria em 1135; Santarém em 1146; Lisboa, Almada e Palmela em 1147; Alcácer em 1160 e quase todo o Alentejo (que posteriormente foi de novo recuperado pelos Mouros). O seu túmulo encontra-se no Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra, ao lado do túmulo do filho D. Sancho I. Estátua de D. Afonso Henriques, no Castelo de S. Jorge, em Lisboa. Túmulo de D. Afonso Henriques, no Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra.

Slide 8

D. Sancho I (Reinado:1185-1211) O Povoador Tendo Coimbra como centro do seu reino, Sancho deu por finda as guerras fronteiriças pela posse da Galiza e dedicou-se a guerrear os Mouros localizados a Sul. Aproveitou a passagem pelo porto de Lisboa dos cruzados da terceira cruzada, na primavera de 1189, para conquistar Silves. Sancho ordenou a fortificação da cidade e construção do castelo que ainda hoje pode ser admirado. A posse de Silves foi efémera já que em 1190 Almançor cercou a cidade de Silves com um exército e com outro atacou Torres Novas, que apenas conseguiu resistir durante 10 dias, devido ao rei de Leão e Castela ameaçar de novo o Norte. Sancho I concedeu várias cartas de foral principalmente na Beira e em Trás-os-Montes: Gouveia (1186), Covilhã (1186), Viseu (1187), Bragança (1187), etc., criando assim novas cidades e povoando áreas remotas do reino, em particular com imigrantes da Flandres e Borgonha. O seu túmulo encontra-se no Mosteiro de Santa Cruz, em Coimbra, ao lado do túmulo do pai.

Slide 9

D. Afonso II (Reinado:1211- 1223) O Gordo D. Afonso II (cognominado O Gordo, O Crasso ou O Gafo, em virtude da doença que o teria afectado), 3º rei de Portugal, nasceu em Coimbra a 23 de Abril 1185 e morreu na mesma cidade a 25 de Março 1223. Afonso II não contestou as suas fronteiras com Galiza e Castela, nem procurou a expansão para Sul (não obstante no seu reinado ter sido tomada aos Mouros a cidade de Alcácer do Sal, em 1217, mas por iniciativa de um grupo de nobres liderados pelo bispo de Lisboa), preferindo consolidar a estrutura económica e social do país. Foi sem a presença do rei que as tropas portuguesas intervieram, ao lado dos castelhanos, aragoneses e franceses, na defesa da Península contra os Mouros, derrotando-os na batalha de Navas de Tolosa (1212). Igualmente sem a presença do rei e aproveitando o declínio do poderio dos Almóadas na Andaluzia, a reconquista do território prosseguiu com a integração de Alcácer do Sal, Monforte, Borba, Vila Viçosa e Moura. Com a existência de Portugal firmemente estabelecida, Afonso II procurou minar o poder clerical dentro do país e aplicar parte das receitas das igrejas em propósitos de utilidade nacional. Esta atitude deu origem a um conflito diplomático entre o Papado e Portugal. Depois de ter sido excomungado pelo Papa Honório III, Afonso II prometeu rectificar os seus erros contra a Igreja, mas morreu em 1223 excomungado. O seu túmulo encontra-se no Mosteiro de Alcobaça.

Slide 10

D. Sancho II (Reinado:1223-1247) O Capelo D. Sancho II (cognominado O Capelo por haver usado um enquanto criança; 4º rei de Portugal, nasceu em Coimbra a 8 de Setembro 1209, filho do rei Afonso II de Portugal e de sua rainha Urraca de Castela. Sancho subiu ao trono em 1223 e foi sucedido pelo irmão Afonso III em 1248 (embora tenha abdicado em 1247, só após a sua morte Afonso se declarou rei). Sancho II provou ser um general capaz e eficiente: a fronteira portuguesa avançou no Alentejo, conquistando Cáceres, Mérida e Badajoz, Elvas, Juromenha, Serpa, Moura, Beja, Aljustrel e Mértola. No campo administrativo mostrou-se menos dotado. O seu reinado foi marcado por disputas internas e intrigas da nobreza. Com a situação da Igreja bastante comprometida, o bispo do Porto fez uma queixa formal ao Papa. No Concílio de Lyon (1245), o Papa Inocêncio IV, através da bula “Inter alia desiderabilia e Grandi non emmerito” excomungou e depôs Sancho II, considerando-o um «rex innutilis» (ou seja, que não sabia administrar a justiça no seu reino), tendo ordenado aos Portugueses que escolhessem um novo rei para substituir o herege. Em 1246, o irmão mais novo de Sancho, Afonso, então a viver em França como Conde de Bolonha, foi convidado a ocupar o trono real. A pressão da Santa Sé levou Sancho II a abdicar em 1247 e a exilar-se em Toledo onde morreu a 4 de Janeiro de 1248. Julga-se que os seus restos mortais repousem na catedral de Toledo.

Slide 11

D. Afonso III (Reinado:1248-1279) O Bolonhês D. Afonso III (n.Coimbra, 5 de Maio de 1210 – id., 16 de Fevereiro de 1279), cognominado O Bolonhês por haver sido casado com a Condessa de Bolonha, foi o quinto Rei de Portugal. Afonso III, o segundo filho do rei Afonso II, sucedeu a seu irmão Sancho II em 1248. Em 1254: Cortes de Leiria - a primeira reunião das Cortes com representantes de todos os grupos da sociedade. Concedeu inúmeros privilégios à Igreja. Recordado como excelente administrador, Afonso III organizou a administração pública, fundou várias vilas concedendo cartas de foral. Foi no seu reinado que se concluiu a conquista do Algarve: Faro, Albufeira, Porches e Silves. No final da sua vida, viu-se envolvido em conflitos com a Igreja, tendo sido excomungado em 1268 pelo arcebispo de Braga e pelos bispos de Coimbra e Porto, à semelhança dos reis que o precederam. À sua morte, em 1279, D. Afonso III jurou obediência à Igreja e a restituição de tudo o que lhe tinha tirado. Face a esta atitude do rei, o abade de Alcobaça levantou-lhe a excomunhão e o rei foi sepultado no Mosteiro de Alcobaça.

Slide 12

O estabelecimento definitivo das fronteiras: Pelo Tratado de Badajoz, assinado em 1267, entre D. Afonso III e Afonso X, rei de Castela e Leão, os castelhanos renunciavam a qualquer direito sobre o território algarvio em favor de D. Dinis (neto de Afonso X). Por seu lado, o rei português renunciava aos territórios na margem esquerda do Guadiana. No reinado de D. Dinis ainda houve conflitos com os reis de Castela e Leão sobre diferentes zonas fronteiriças, mas estas questões resolveram-se com a assinatura do Tratado de Alcanises, em 1279 (entre D. Dinis e Fernando IV). Com o Tratado de Alcanises o território português adquiriu as fronteiras que praticamente permaneceram inalteradas até hoje. As grandes vantagens do Tratado de Alcanises resultavam da fixação da fronteira portuguesa que, com excepção de Olivença, ocupada pela Espanha em 1801, correspondia então ao seu traçado actual. A província da Beira constituía a zona nevrálgica do reino de Portugal, por ser esse o local corrente das invasões castelhanas. D. Dinis tratou de imediato da fortificação dos lugares de Riba-Côa, com os seus pontos mais salientes em Castelo Rodrigo e no Sabugal, tendo a defendê-las o castelo da Guarda. Tal foi a base do acordo luso-castelhano. D. Dinis, o Lavrador 1279-1325 Pelo Tratado de Alcanises (1297) firmou a Paz com Castela, definindo-se nesse tratado as fronteiras actuais entre os dois países ibéricos. Por este tratado previa-se também uma paz de 40 anos, amizade e defesa mútuas.

Slide 13

O estabelecimento definitivo das fronteiras: Portugal é o Estado europeu com as fronteiras mais antigas e estáveis.

Summary: Do Condado portucalense ao reino de Portugal

Tags: condado reino portugal

URL:
More by this User
Most Viewed