Arte Indigena

+12

No comments posted yet

Comments

Slide 1

Arte Indígena Brasileira Prof. Magno Anchieta Disciplina: Arte 3ª série

Slide 2

Introdução O Brasil é um país novo, com pouco mais que 500 anos. No entanto, antes de ser explorado pelos europeus, já havia habitantes nessas terras. Essas pessoas são os índios, de várias nações e culturas diferentes, com uma arte diversificada e rica em sua beleza.

Slide 3

Os portugueses e os índios eram muito diferentes. Os portugueses deixaram para trás um país rico e muito adiantado para a época. Eles eram mestres na construção de caravelas e tinham também uma arquitetura muito avançada.

Slide 5

Fachada principal do Mosteiro da Batalha – Portugal.

Slide 6

As pessoas em Portugal tinham aparência diferente dos índios, usavam roupas para cobrir todo o corpo. Naquela época, as mulheres nem podiam mostrar os pés. Os mais ricos usavam roupas luxuosas, de tecidos pesados, com bordados e jóias.

Slide 7

Titian – Isabella de Portugal, esposa de Charles V. 1535. Museu do Prado, Madri. Vestuário masculino típico do século XVI.

Slide 8

A origem dos povos americanos Os habitantes do continente americano descendem de populações advindas da Ásia, sendo que os vestígios mais antigos de sua presença na América, obtidos por meio de estudos arqueológicos, datam de 11 a 12,5 mil anos (FUNAI). Todavia, ainda não se chegou a um consenso acerca do período em que teria havido a primeira leva migratória.

Slide 9

De lá para cá, estas populações desenvolveram diferentes modos de uso e manejo dos recursos naturais e formas de organização social distintas entre si. Não existe consenso também, entre os arqueólogos, sobre a antigüidade da ocupação humana na América do Sul.

Slide 10

Até há alguns anos, o ponto de vista mais aceito sobre este assunto era o de que os primeiros habitantes do continente sul-americano teriam chegado há pouco mais de 11 mil anos. No Brasil, a presença humana está documentada no período situado entre 11 e 12 mil anos atrás.

Slide 11

Mas novas evidências têm sido encontradas na Bahia e no Piauí que comprovariam ser mais antiga esta ocupação, com o que muitos arqueólogos não concordam. Assim, há uma tendência cada vez maior de os pesquisadores reverem essas datas, já que pesquisas recentes vêm indicando datações muito mais antigas

Slide 13

Quando os portugueses chegaram ao Brasil encontraram aqui um clima quente, um local totalmente inexplorado e habitado por índios, que, em vez de roupas como a dos portugueses, usavam colares, enfeites feitos com penas e o copo todo pintado.

Slide 14

Maloca dos Apiacá – Desenho de Hércules Florence durante a expedição de Langsdorff

Slide 15

Família Kamakã se preparando para um festa (Debret). Litografia Viagem pitoresca e histórica ao Brasil (1834-1839).

Slide 16

Tanto índios quanto portugueses ficaram surpresos, pois não tinham nada em comum. Cada um deles tinha seu próprio modo de viver em sociedade, de se vestir, fazer arte etc.

Slide 17

O índio brasileiro é muito habilidoso, pois sua pintura, a confeção de suas cerâmicas e de seus trançados e seus adereços plumários mostram isso. A seguir vamos estudar cada item separadamente.

Slide 18

Pintura corporal Os índios pintam seus corpos no dia-a-dia e em ocasiões especiais (festas, luto, guerra etc.) A pintura pode estar relacionada a crenças indígenas, identificação de uma determinada tribo, membros de uma mesma tribo ou servir simplesmente para embelezar o corpo.

Slide 19

Índios Kaiapós

Slide 20

Chefe Arakita

Slide 21

As tintas usadas para a pintura corporal são retiradas da natureza, bascamente do urucum (vermelho e amarelo) e do jenipapo (preto e azul).

Slide 22

Urucu ou Urucum

Slide 23

Genipapo

Slide 36

Adereços e Arte Plumária Assim como a pintura corporal a arte plumária serve para enfeites: mantos, máscaras, cocares, e  passam aos seus portadores elegância e magestade.

Slide 37

Com sementes, penas de pássaros, pedaços de bambu, ossos etc. são feitos os colares, cocares, enfeites corporais e também a decoração dos armamentos.

Slide 46

Esta é uma arte muito especial porque não está associada a nenhum fim utilitário, mas apenas a pura busca da beleza.

Slide 55

Arte plumária dos índios Urubus no Alto Gurupi. Diademas, colares, brincos, enfeites nasais, cintos e pulseiras.

Slide 56

Armas

Slide 57

Armas indígenas

Slide 58

Arte Cerâmica Na modelagem de cerâmicas, os índios também se mostram muito habilidosos. Eles modelavam vasos, recipientes para uso doméstico e os licocós, pequenos bonecos que mostram as várias atividades da tribo.

Slide 59

Licocós

Slide 60

Currupira – peça em argila. Icoraci - PA

Slide 61

Muiraquitãs

Slide 62

A tribo Assurini, do Xingu, utiliza como matéria-prima tinta de origem mineral para colorir seus vasos. Essa tinta é obtida de pedras coloridas (vermelho, amarelo e preto) encontradas na natureza que são esfregadas em outras pedras mais duras e ásperas com um pouco de água.

Slide 64

A superfície desses vasos tem uma decoração muito colorida (desenho preto e vermelho com fundo amarelo) e como acabamento é aplicada sore a pintura a resina do jatobá, que serve como verniz. Os pincéis utilizados são penas de ave, talos de madeira e fibras de plantas variadas.

Slide 65

Cerâmica marajoara

Slide 66

Cerâmica Marajoara – Ilha de Marajó - PA

Slide 67

Vaso com cariátides – Povo Marajoara

Slide 68

Urnas funerárias

Slide 69

Urnas Funerárias

Slide 70

Trançado e tapeçaria O trançado tem presença marcante sobre o artesanato brasileiro desde a chegada dos portugueses até os dias de hoje. A produção dos trançados brasileiros é extremamente variada não só quanto ao formato e beleza dos objetos, mas também em relação à sua utilidade.

Slide 71

Tear com tanga de miçanga. Indios Tiriyo, Pará.

Slide 72

A variedade de plantas que são apropriadas ao trançado no Brasil dá ao índio uma inesgotável fonte de matéria prima.

Slide 76

Cestos

Slide 79

Tipiti para espremer mandioca

Slide 80

Tipiti para espremer mandioca

Slide 81

Tipiti de espremer mandioca

Slide 82

Tipiti de espremer mandioca feito de Arumã

Slide 83

Abano – para avivar o fogo e espantar insetos

Slide 84

Abano – para avivar o fogo e espantar insetos

Slide 85

Abano – para avivar o fogo e espantar insetos

Slide 86

Abano – para avivar o fogo e espantar insetos

Slide 87

Peneira

Slide 88

Peneiras (balaios)

Slide 90

Peneira Baniwa – feita de arumã

Slide 91

Cesto Kinja com tampa – feito de arumã

Slide 92

Cesto com tampa Mehim feito com palha de buriti

Slide 93

Samburá (cesto de pescar). Índios Jenipapo-Kanindé.

Slide 95

Instrumentos Musicais Os índios gostavam de música, que era praticada em suas festas e duravam vários dias. Os instrumentos musicais utilizados por eles eram o toró (flauta de taquara), o boré (flauta de osso) e o uai (tambor de pele e de madeira).

Slide 96

Instrumentos musicais

Slide 97

Apitos que imitam sons de animais.

Slide 98

Flauta máscara

Slide 100

Menino índio tocando maracá

Slide 101

Pau-de-chuva

Slide 102

Índios Waurá tocando Flauta Jakui

Slide 103

Uruá, flauta única formada por 4 tubos. Deve ser tocada sempre por dois índios

Slide 104

Instrumento de percussão

Slide 105

Moradias (arquitetura) Taba ou Aldeia é a reunião de 4 a 10 ocas, em cada oca vivem várias famílias (ascendentes e descendentes), geralmente entre 300 a 400 pessoas. O lugar ideal para erguer a taba deve ser bem ventilado, dominando visualmente a vizinhança, próxima de rios e da mata.

Slide 106

Oca – Índios Xavantes

Slide 107

Oca das tribos do Xingu - arquitetura indígena

Slide 108

A terra, própria para o cultivo da mandioca e do milho. No centro da aldeia fica a ocara, a praça. Ali se reunem os conselheiros, as mulheres preparam as bebidas rituais, têm lugar as grandes festas.

Slide 109

Oca das tribos do Xingu.

Slide 110

Dessa praça partem trilhas chamadas  pucu que levam a roça, ao campo e ao bosque. Destinada a durar no máximo 5 anos a oca é erguida com varas, fechada e coberta com palhas ou folhas.

Slide 111

Oca – índios guaranis, do Morro dos Cavalos e Massiambu

Slide 112

Não recebe reparos e quando inabitável os ocupantes a abandonam. Não possuem janelas, têm uma abertura em cada extremidade e em seu interior não tem nenhuma parede ou divisão aparente. Vivem de modo harmonioso.

Slide 114

Fotos A arte presente no dia-a-dia dos índios brasileiros.

Slide 121

Fim

Summary: Aula preparada pelo professor Magno Anchieta

Tags: arte indigena brasil

URL: