AULA 8 - Concepção - Avaliando os Conceitos

+7

No comments posted yet

Comments

Slide 1

Concepção Avaliando os conceitos

Slide 2

Concepção Cria os Conceitos Avalia os Conceitos Documenta Conceitos 1. 2. 4. Refina os Conceitos 3. Processo Iterativo

Slide 3

Depois de criados os conceitos, é hora de verificar se estes são apropriados ao projeto. O modelo criado será fácil de usar e atende às necessidades do usuário? Atende às necessidades do negócio? É possível de ser implementado? 2. Avaliando os Conceitos Concepção

Slide 4

Depois de criados os conceitos, é hora de verificar se estes são apropriados ao projeto. O modelo criado será fácil de usar e atende às necessidades do usuário? Atende às necessidades do negócio? É possível de ser implementado? 2. Avaliando os Conceitos Concepção Planejamento

Slide 5

Depois de criados os conceitos, é hora de verificar se estes são apropriados ao projeto. O modelo criado será fácil de usar e atende às necessidades do usuário? Atende às necessidades do negócio? É possível de ser implementado? 2. Avaliando os Conceitos Concepção Análise de Requisitos

Slide 6

Análise de Requisitos Requisitos Técnicos: Determinam as tecnologias que podem ser utilizadas. Deve-se compreender e respeitar esses requisitos para garantir a viabilidade técnica do projeto. Ambientes Tecnológicos (internet, intranet, dispositivos móveis, TV digital...) • Linguagens de programação (HTML, Javascript, Flash, etc.) • Especificações dos computadores dos usuários (sistema operacional, browser, resolução do monitor, etc.) • Ferramentas de desenvolvimento e operação do website (editores de HTML, banco de dados, software de gerenciamento de conteúdos, etc.) • Integração com sistemas legados (ERP, CRM, etc.)   Requisitos Operacionais: Determinam os profissionais e máquinas que atuarão na operação do website. Servem para avaliar a capacidade da empresa em manter o website operando após sua implantação. • Criação ou revisão processos internos (resposta de e-mails, manutenção de conteúdos, entrega de pedidos, etc.)

Slide 7

Análise de Requisitos Ambientes Tecnológicos

Slide 8

Ambientes Tecnológicos Em quais situações e aparelhos as pessoas utilizam a tecnologia e as interfaces? http://www.flickr.com/photos/yohann-aberkane/2836258475/sizes/l/ Análise de Requisitos

Slide 9

Internet Intranet Computadores Pessoais Dispositivos Móveis TV Digital Ambientes Tecnológicos

Slide 10

O design de sistemas interativos centrados nos usuários requer a análise de tarefas, papéis e necessidades dos utilizadores em cada contexto de interação e dos padrões de mudança entre estes contextos. baseado em: Paulo Jorge Souza EBAI 2008 http://paginas.fe.up.pt/%7Epjsousa/index.php Ambientes Tecnológicos

Slide 11

Será que a necessidade de informação do usuário é a mesma no horário de trabalho e no horário de lazer? Os sites levam em consideração o que você está fazendo ou como você está se sentindo no momento em que os acessa? A forma como você utiliza o computador é a mesma quando você está em uma mesa e quando está com o notebook no colchão da sala vendo TV? Ambientes Tecnológicos

Slide 12

E se o Jornal Nacional transmitisse somente notícias boas para relaxar e tranqüilizar as pessoas que trabalharam o dia todo e estão estressadas? Ambientes Tecnológicos

Slide 13

Weekend News Today Site que só publica notícias “boas”. Ambientes Tecnológicos

Slide 14

http://www.youlicense.com/ http://www.musicovery.com/ Ambientes Tecnológicos

Slide 15

Intranet Como falar com TODOS seus colaboradores Ambientes Tecnológicos

Slide 16

Por muito tempo não foram levadas a sério Motivos: Alto investimento para manter profissionais qualificados cuidando de sua manutenção Teoricamente, “não alavancava vendas”, pois não é um meio de comunicação com os clientes Era tratado como um SISTEMA interno (leia-se SOFTWARE) http://www.flickr.com/photos/danielstarrason/342516062/ Intranet

Slide 17

Intranet Esta imagem da Intranet começou a mudar quando as empresas perceberam a importância da comunicação com seus funcionários As empresas estavam cada vez maiores, espalhadas por vários países ao redor do planeta. Ainda assim Somente 25% das empresas têm um funcionário dedicado totalmente à Intranet – Jakob Nielsen - 2007 http://www.flickr.com/photos/thashiguro/2028892808/ Funcionário do Mês

Slide 18

Intranet http://www.flickr.com/photos/davidgking/3039039317/ A Intranet serve basicamente para: Informar Estimular Automatizar Processos Padronizar

Slide 19

Intranet Características da Intranet Os usuários são diferentes Diferentes departamentos, cargos, níveis de conhecimento, necessidades especiais... As tarefas são diferentes O tipo de informação necessária é diferente A capacidade das máquinas são diferentes No caso das intranets, essa capacidade é conhecida, portanto os recursos devem ser adequados.

Slide 20

Intranet Os 4 SUPER elementos da Arquitetura de Informação para Intranets: Organização Rotulação Navegação Busca

Slide 21

1. Organização Diretório de Conteúdo (antigo Yahoo!) Mais comuns: Departamentos Tarefas Reduz a curva de aprendizagem Muitos departamentos com tarefas semelhantes. http://www.flickr.com/photos/atelieordenar/3447630220/ Intranet

Slide 22

Intranet 2. Rotulação Focar sempre no usuário Pesquisa Entrevista com Colaboradores Card Sortings Testes de Usabilidade Análise de Métricas Manutenção Pesquisa Termos de Busca

Slide 23

3. Navegação Menor nº de cliques possível Trabalhos repetitivos Ganho de tempo ($$$$$$) Solução: Links para acesso rápido - home Personalização Links Cruzados Intranet http://www.flickr.com/photos/paulhurst/197965942/

Slide 24

Intranet 4. Busca Alternativa rápida à navegação por seções Notícias Normas e Procedimentos Execução de tarefa Análise constante para descobrir novos rumos para a arquitetura de informação. SEARCH http://www.flickr.com/photos/mlemos/405949783/

Slide 25

Intranet Para uma intranet REALMENTE funcionar: Centralize as decisões a um pessoa dedicada em tempo integral ao desenho da intranet; Não deixe que o dono/diretor da empresa dite os rumos da a.i. Prever o crescimento da intranet Mudanças drásticas necessitam de tempo para aprendizagem do novo sistema. Evitar essa mudanças. PESQUISA, PESQUISA, PESQUISA... TESTE, TESTE, TESTE, TESTE, TESTE...

Slide 26

Ambientes Tecnológicos Dispositivos Móveis

Slide 27

Dispositivos Móveis Mobile Phones (celulares e smarthphones) PDA (Palmtops, PocketPCs, Netbooks) Consoles Portáteis (vídeo-games)

Slide 28

Mobile Phones Como desenvolver mobilesites e aplicativos Dispositivos Móveis

Slide 29

Mobilesites O celular está presente em praticamente todas as classes sociais; 159 milhões de assinantes em junho, segundo a Anatel; 11 milhões de usuários de mobile web no Brasil (Nielsen) 18 milhões de usuários, segundo as operadoras; 3 milhões utilizando a tecnologia 3G Centenas de aparelhos diferentes Dezenas de navegadores utilizados

Slide 30

Mobilesites Navegadores mais comuns para celular: Symbian (Nokia), RIM (Blackberry), Apple (iPhone), Windows Mobile (vários celulares), Android (Google), Palm e Linux (vários celulares).

Slide 31

Crescimento da rede Wi-Fi; Popularização da Tecnologia; Acesso ao crédito; Chegada do Iphone; Mobilesites

Slide 32

Mobilesites Brasil - 50% dos acessos à web via mobile são feito pelo iPhone. (Segundo a própria Apple)

Slide 33

Mobilesites 1. Utilização em diferentes situações e objetivos:  Negócios;  Entretenimento;  Busca por informações rápidas.

Slide 34

Mobilesites 2. Tela extremamente reduzida, se comparada aos computadores comuns.

Slide 35

3. Baixa velocidade de conexão na maioria dos acessos.  Usuário paga por byte transferido. Mobilesites

Slide 36

? Como tratar a Arquitetura de Informação em mobilesites? Mobilesites #comofaz

Slide 37

“Pretinho básico” PRIORIZAR conteúdos e interações: O que o usuário mais procura dentre os serviços da empresa? O que a empresa mais deseja vender? Mobilesites

Slide 38

Mobilesites Back to the Basics? Não necessariamente. Menos é Mais. Clichê.

Slide 39

Home Navegação “Rasa”  Poucos Sub-níveis  Menor nº de cliques possível Mobilesites

Slide 40

Minimizar ao máximo a necessidade de digitação. Sempre que possível, utilizar:  Droplists  Radio Buttons  Check boxes Mobilesites

Slide 41

Aproveitar ao máximo cada clique. Aproveitar a rolagem da página.

Slide 42

Pop-Ups Mobilesites Flash Scripts Evitar:

Slide 43

Mobilesites Dar preferência a Links curtos: m.flickr.com m.globo.com m.yahoo.com m.uol.com.br m.google.com www.rossiresidencial.com.br/mobile

Slide 44

Mobilesites Sempre deixar a opção do usuário acessar o site na versão web.

Slide 45

Prever interface E L Á S T I C A

Slide 46

explorar recursos  “Click to Call” e/ou  “Click to SMS” Mobilesites

Slide 47

Sugestão: Três modelos de Site: Modelo “grade” para modelos mais novos: Modelo especial para “touchs”: Modelo “lista” para modelos mais básicos: 1. 2. 3. Mobilesites WAP Smarthphones iPhone e similares

Slide 48

Mobile Phone 240 x 320 Mobile Phone 320 x 240 Mobile Phone 240 x 240 Mobile Phone 240 x 176 iPhone Full 320 x 480 iPhone Web 320 x 416 iPhone Full 480 x 320 iPhone Web 480 x 268 Tamanhos mais comuns de tela: http://developer.yahoo.com/ypatterns/about/stencils/ Mobilesites

Slide 49

Modelo Lista: Navegação por setas Mínimo de Recursos gráficos possível Indicação de links ativos com mouseover A Digitação dificultada (teclado numérico) Mobilesites Imagens com baixíssima qualidade

Slide 50

Modelo Grade: Navegação por setas ou esfera (BlackBerry) Recursos gráficos moderados Indicação de links ativos com mouseover A Digitação facilitada no caso do BlackBerry Mobilesites

Slide 51

Modelo Touch: Navegação por toque Permite explorar mais recursos gráficos Não existe mouseover Evidenciar o que são botões e/ou links Mobilesites

Slide 52

Modelo Touch: Permite maior interação por interação com:  GPS Sensor de movimento (acelerômetro) Visualização de vídeos etc. Evitar a necessidade de zoom Evitar links ou botões pequenos Mobilesites

Slide 53

Mobilesites IMPORTANTE: são miniaturas dos websites. NÃO Mobilesites

Slide 54

Mobilephones Mobilesites ou aplicativos Qual escolher?

Slide 55

Mobilephones Vantagens dos Mobilesites: Mais barato; Mais empresas capacitadas; Desenvolvimento mais rápido; Facilidade de manutenção e atualização; Garante que o usuário veja sempre a última versão do site; Distribuição facilitada; São indexados pelo Google; Não depende da aprovação da Apple; Conteúdo não fica perdido em meio a 30 mil aplicativos; Não se restringe somente ao iPhone.

Slide 56

Mobilephones Vantagens dos Aplicativos: Roda Offline e não implica em custos para o usuário; Experiência mais rica de navegação; Recursos Gráficos (3D e animação), Integração com câmera, GPS e Google Maps, Acelerômetro, Agenda, Mobile Games, etc. Fica instalado no hardware do celular; Mantém um ícone para fácil acesso; Possibilidade de monetização. As vantagens do aplicativo tendem a diminuir cada vez mais, devido à evolução das conexões e dos browsers.

Slide 57

Mobilephones Qual a melhor opção? ? #comofaz Depende dos objetivos do site. Planejamento é essencial.

Slide 58

Ambientes Tecnológicos Televisão Digital

Slide 59

Televisão Digital Televisão tem 97% de presença nos lares brasileiros; 2 de dezembro de 2007: Rede Globo, Band, SBT, Record e TV Gazeta iniciaram juntas as transmissões digitais; Modelo japonês de TV Digital. TV no Brasil

Slide 60

Televisão Digital Características básicas: Maior qualidade de Imagem e Som  Maior Experiência do Usuário Visualização de outras informações da tela  (saldo bancário, resultados esportivos, notícias no rodapé, previsão meteorológica, redes sociais, etc.) Possibilidade de programação alternativa Integração com dispositivos móveis. “A dona Maria vai poder assistir novela, ver o resumo do capítulo anterior, comentar sobre este capítulo, entre outras interações... somente apertando um botão do controle remoto”.

Slide 61

Televisão Digital Redes Sociais: A Verizon lançou nos Estados Unidos o aplicativo que possibilita acessar as redes sociais Twiiter e Facebook pela TV digital.

Slide 62

Televisão Digital Ginga - openginga.org Sistema Operacional desenvolvido pela Universidade Federal da Paraíba. Baseado em Linux, livre e de código aberto; Desenvolvedores do país todo podem aperfeiçoa-lo Permite a criação de aplicativos para TV Digital;  Novo ramo de negócios – criação de aplicativos. Suporte a: T-Commerce T-Learning T-Health T-Gov

Slide 63

Televisão Digital T-Commerce Compras pelo controle remoto A TV é mais amigável ao público do que o computador; Credibilidade; A TV transmite maior segurança; Compra dentro do contexto da programação.

Slide 64

Televisão Digital T-Learning Educação à distância pela TV; O modelo deixa de ser uma comunicação em massa e passa a ser personalizada; Não possibilita tanta interação quanto o computador, mas é uma ferramenta mais próxima do cotidiano brasileiro; Aprendizado dentro do contexto da programação.

Slide 65

Televisão Digital T-Health Educação e dicas sobre saúde para a população. T-Gov Serviços aos cidadãos.

Slide 66

Televisão Digital O que pode ocorrer e que devemos evitar: Excesso de controles-remotos ou controle-remoto com excesso de botões; Simplificar as interfaces para que possam ser controladas com poucos comandos; Caso contrário, a TV ficará tão complexa quanto o computador.

Slide 67

Arquitetos de Informação Jeferson Jess Luis Felipe Fernandes Vinicius Krause

Tags: arquitetura informação concepção avaliação conceitos analise requisitos intranet mobile dispositivos móveis tv digital

URL:
More by this User
Most Viewed