AULA 12 - Implementação e Metodologias Ágeis

+18

No comments posted yet

Comments

CARLOSH (7 years ago)

NN

Slide 1

Implementação

Slide 2

Implementação im.ple.men.tar 1 Executar (um plano, p ex) 2 Levar à prática por meio de providências concretas. 3 Prover de implementos. (Dicionário Michaelis)

Slide 3

Implementação É o momento em que o projeto “sai” das mãos do arquiteto de informação e vai para as outras áreas. Mas é dever do arquiteto de informação garantir que o projeto continue seguindo as regras definidas na etapa de concepção.

Slide 4

Implementação Criação A função da arquitetura de informação não é “engessar” a criação. O criador tem liberdade para alterar a disposição dos elementos se julgar necessário, mas o arquiteto de informação deve validar se essas alterações não prejudicam a usabilidade do site ou a experiência do usuário como um todo.

Slide 5

Implementação HTML / CSS Deve validar: Navegação (hiperlinks); Acessibilidade; Usabilidade; Disposição dos elementos da mesma forma do layout. </head> <body>

Slide 6

Implementação Desenvolvimento Deve validar as interações: Mensagens de erro e confirmação; Validação de formulários; Condicionais de navegação; etc.

Slide 7

Implementação Mas não adianta as demais áreas tomarem ciência do projeto somente no final.

Slide 8

Implementação É imprescindível a presença da equipe toda durante todo o processo de design e implementação. Garantir: Escopo Prazo Qualidade

Slide 9

Implementação Os problemas freqüentes na implementação de projetos fizeram muitas outras metodologias surgirem, a fim de chegarem a um ideal. Foram chamadas de Metodologias Ágeis Scrum FDD Kanban TDD XP Crystal

Slide 10

Introdução às Metodologias Ágeis

Slide 11

Introdução às Metodologias Ágeis Minha avó me chamou para visitá-la e para degustar seu famoso “arroz temperado” Sábado, às 13h, em sua casa. Baseado na explicação de Guilherme Chapiewski - http://gc.blog.br/

Slide 12

Introdução às Metodologias Ágeis Como ela chegou neste horário final? Ela irá acordar às 8h; Banho até as 8h30min; Café da manhã até as 9h; Consulta médica às 10h; Supermercado às 11h; Voltará para a casa às 12h; Almoço pronto às 13h.

Slide 13

Introdução às Metodologias Ágeis E se... O ônibus atrasar para ir ao médico? O médico demorar para atendê-la? Não tiver os ingredientes necessários no supermercado? Mas...

Slide 14

Introdução às Metodologias Ágeis “Meu filho, você se importa se eu fizer aquela sopa que você adora, ao invés do arroz temperado?” 

Slide 15

Introdução às Metodologias Ágeis Objetivo primário: Reencontrar minha avó (concluído com êxito) Objetivo secundário: Saciar minha fome (concluído com êxito)   

Slide 16

Introdução às Metodologias Ágeis Escopo Variável Sempre há um escopo Teoricamente, deve permanecer do início ao fim do projeto, pois foi assim prescrito no contrato. O que há, na verdade, é uma ilusão de previsibilidade

Slide 17

Introdução às Metodologias Ágeis Cliente acredita que encontrará: Escopo Previsível Prazo Previsível Custo Previsível

Slide 18

Introdução às Metodologias Ágeis Empresa contratada acredita que saberá: O que terá de fazer; Em quanto tempo; Quanto vai ganhar; Com quais recursos.

Slide 19

Introdução às Metodologias Ágeis

Slide 20

Introdução às Metodologias Ágeis Premissa nº1 O cliente sabe o que quer desde o início do projeto; “ ” Inclusive de seus problemas de comunicação.

Slide 21

A equipe consegue estimar exatamente o tempo necessário para produção. “ ” Introdução às Metodologias Ágeis Premissa nº2

Slide 22

Introdução às Metodologias Ágeis Premissa nº3 O cliente consegue comunicar todos os requisitos ou problemas que pretende resolver. “ ”

Slide 23

A previsibilidade vai por água abaixo. Introdução às Metodologias Ágeis

Slide 24

Introdução às Metodologias Ágeis escopo NÃO é fixo Variáveis dos projetos: Custo Prazo Qualidade Escopo

Slide 25

Introdução às Metodologias Ágeis O escopo absorve as incertezas do projeto

Slide 26

Introdução às Metodologias Ágeis Priorização do Escopo Princípio de Pareto se aplica ao software: 20% das funcionalidades geram 80% do valor para o cliente. Fonte: Lean Software Development, Mary Poppendieck e Tom Poppendieck, Addison-Wesley, 2003, p. 32 Freqüência de uso dos recursos de um sistema:

Slide 27

24 horas 2 semanas Introdução às Metodologias Ágeis Processo Iterativo e Incremental Ciclo PDCA Plan Do Check Act

Slide 28

Introdução às Metodologias Ágeis Equipes enxutas e eficazes Entre 5 e 10 membros Auto-organizadas Multidisciplinar

Slide 29

Introdução às Metodologias Ágeis Entregas Freqüentes Conseqüência da priorização Metáfora da “Casa Limpa”

Slide 30

Introdução às Metodologias Ágeis Fluxo de Caixa do cliente Foco no Essencial – ROI Retorno desde o início do projeto (menor, mas contínuo) Tempo

Slide 31

Introdução às Metodologias Ágeis Simplicidade é essencial

Slide 32

Introdução às Metodologias Ágeis Flexibilidade para mudanças Mesmo durante a implementação; Mudanças garantem a vantagem competitiva do cliente.

Slide 33

Introdução às Metodologias Ágeis Feedback rápido O cliente é quem mais entende de seu produto e objetivos; Deve estar presente em todo o processo de desenvolvimento; Contribui para priorizar o escopo; Economia de tempo e flexibilidade para ajustes. AGÊNCIACLIENTE

Slide 34

Introdução às Metodologias Ágeis Incentivar comunicação entre a equipe Deixar ambiente de trabalho agradável; Trazer as pessoas para trabalharem mais próximas; Fornecer ferramentas práticas para facilitar essa comunicação.

Slide 35

Introdução às Metodologias Ágeis Entregar sistema funcionando SEMPRE! Garantido pela: Iteratividade Comunicação facilitada Feedback rápido Escopo variável

Slide 36

Introdução às Metodologias Ágeis Validar e testar sempre! Testar uma vez é melhor do que testar nenhuma.

Slide 37

Implementação O que todas as metodologias buscam? Sistema para resolver um problema do cliente; Sistema simples de manter e evoluir; Projeto com menor custo e prazo possível.

Slide 38

≠ Implementação Metodologia Ágil Cultura Ágil

Slide 39

Implementação Cultura Ágil: Em 2001, 17 especialistas em gerenciamento de projetos foram a fundo nas metodologias para descobrir o que elas tinham em comum.

Slide 40

Implementação Manifesto Ágil www.agilemanifesto.org Indivíduos e interações mais que processos e ferramentas Software que funciona mais que documentação completa Colaboração do cliente mais que negociação de contratos Responder à mudança mais que seguir um plano

Slide 41

Implementação A adoção com sucesso de metodologias ágeis podem ser consideradas como diferencial competitivo para as agências e produtoras de software.

Slide 42

Implementação É uma forma de garantir sempre a qualidade de seus trabalhos e o ROI do cliente antes do tempo estimado.

Slide 43

Implementação E, claro, garantir a satisfação de seu cliente

Slide 44

Arquitetos de Informação Jeferson Jess Luis Felipe Fernandes Vinicius Krause

Tags: implementação metodologias agéis agile scrum arquitetura informação

URL:
More by this User
Most Viewed